8 de abril de 2012

CONTA-GOTAS...Notícias


CURIOSIDADE HISTÓRICA ---- O córrego que foi engolido por Uberaba, mas que, inconformado, insiste em emergir
CURIOSIDADE HISTÓRICA ESPECIAL ---- O Alexandre imortalizado no nome de uma povoação
CURIOSIDADE HISTÓRICA 2 ---- A cidade que nasceu de uma demonstração de fé
Vicente Araújo - Close na TV
A CALHAR
(E de graça...)
Quem tem força com o comando estadual do partido vai nadando de braçadas. Que o diga o pré-candidato a prefeito de Uberaba pelo PV, Vicente Araújo. Está ocupando todos os espaços do horário político gratuito da legenda em rede estadual de televisão – inclusive nos horários nobres.
DETALHE ---- Em close, com a foto de Uberaba em destaque

O PAPEL QUE LHE CABE
Assembleia Legislativa de Minas Gerais está preocupada em orientar os pré-candidatos e candidatos a vereador sobre os limites legais da atuação de uma câmara municipal. Para esclarecer esta, e outras dúvidas, a Assembleia promove mesa-redonda dia 16 de abril, a partir de 9h. Evento acontece através de parceria entre o Centro de Apoio às Câmaras (Ceac) e a TV Assembleia, que transmitirá o debate.
CONVIDADOS ---- Os convidados da mesa-redonda são representantes do Tribunal Regional Eleitoral - TRE/ MG, do Ministério Público e do Tribunal de Contas do Estado.
Inscrições podem ser feitas até dia 13 de abril, e será fornecido certificado aos participantes.
INSCRIÇÕES --- Interessados podem inscrever-se no Centro de Atendimento ao Cidadão (CAC) - rua Rodrigues Caldas, 30, bairro Santo Agostinho, Belo Horizonte, das 8h às 19h. Para participar a distância, o pré-candidato ou candidato pode enviar sua pergunta para o Ceac (ceac@almg.gov.br). As dúvidas serão respondidas pelos convidados da mesa-redonda. Mais informações: (31) 2108-7800, no CAC.

SURPRESAS DA POLÍTICA
Reunido dia 7 de abril, sábado, o comando do PT de Uberaba - presidido por Waldemar Pamplona, aprovou nota de apoio ao movimento grevista dos servidores públicos municipais de Uberaba. Aliado do prefeito Anderson Adauto (PMDB) e ocupante de vários cargos de confiança, inclusive de primeiro escalão, o PT optou por honrar a palavra TRABALHADORES que denomina a sigla.
*Confira a íntegra da nota, divulgada em primeira mão na página da legenda no Facebook


APOIO BEM-VINDO
Ao tomar conhecimento da nota do PT - divulgada na noite de 8 de abril, domingo, o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Uberaba - SSPMU, Luís Carlos dos Santos, considerou importante a manifestação. Segundo ele, o Partido dos Trabalhadores seria um grande reforço na luta dos servidores, se estendesse a nota a uma participação direta. "Uma intermediação entre os sindicatos e governo municipal poderia ajudar, e muito, pois o PT é aliado do governo, tem sido leal e companheiro do atual prefeito, e acredito que seria ouvido por ele" - defende Luís Carlos.


QUEM QUER SER PREFEITO
E por falar em PT, o diretório de Uberaba abre inscrições nas próximas horas para interessados em candidatar-se a prefeito. Decisão cumpre normas estabelecidas pela Executiva Nacional da legenda, determinando que a escolha dos candidatos a prefeito tem que passar pelas inscrições – e, em caso de mais de uma candidatura, por um Encontro Municipal, e votação dos filiados.
EXPECTATIVA ---- Expectativa no caso do PT é quanto à inscrição – ou não, da coordenadora de políticas públicas e presidente do Conselho da Mulher, ex-vereadora Marilda Ribeiro. Questionada se vai se inscrever, e assim, confrontar-se com a decisão do diretório municipal de apoiar a candidatura do deputado estadual Adelmo Carneiro Leão, a ex-vereadora manteve o suspense. “Com certeza, sou pré-candidata em 2012, mas ainda não sei se será ao cargo de vereadora ou de prefeita” – disse ela a Conta-Gotas.
SEM PRÉVIAS --- Se Marilda não se inscrever como candidata a prefeita, o deputado estadual deve reinar absoluto na disputa pelo cargo, no PT.


O TEMPO URGE
Provavelmente um dos pré-candidatos menos conhecidos do grande público, o secretário de Governo, Rodrigo Mateus, do PMDB, tem se esforçado pra reverter esta situação. Após instalar-se no Facebook, Twitter e YouTube, agora ele criou um site pessoal.
DETALHE---Rodrigo também conta com o apoio do prefeito Anderson Adauto, sem dúvida, uma visibilidade e tanto.

CONFERÊNCIAS
Ricardo Sarmento e Antônio Sousa
Ação a pedido dos sindicalistas
(Foto: Giselda Campos)
E muita gente estranhou três presenças na manifestação dos servidores municipais, na porta do Centro Administrativo, dia 4 de abril, quarta-feira: do subsecretário de Governo, Marco Túlio Reis, e do secretário e subsecretário de Trânsito e Transportes Especiais, Ricardo Sarmento e Antônio de Sousa Filho. Nada demais: os três participaram - junto com os sindicalistas, da organização do protesto. Foram conferir se estava tudo nos conformes.
AJEITAMENTOS --- Antes do protesto – que reuniu mais de mil trabalhadores, os sindicatos dos servidores (SSPMU) e dos educadores (Sindemu) enviaram ofício ao prefeito Anderson Adauto, pedindo a designação de uma comissão para, junto com os sindicatos, definir os detalhes do evento, de forma que tudo transcorresse em paz. O grupo designado pelo prefeito providenciou, entre outras coisas, o fechamento da rua, energia, som, segurança..
MORAL DA HISTÓRIA ---- Só faltou subir no caminhão pra reclamar dos baixos salários.

INSENSIBILIDADE
Matéria assinada pela jornalista Geórgia Santos – e divulgada na edição de sábado, 7 de abril, pelo Jornal da Manhã, revela que uma adolescente de 17 anos de idade, com quadro de paralisia cerebral, está enfrentando dificuldades para receber os medicamentos de que necessita.
ORDEM JUDICIAL --- A paciente precisa tomar mensalmente remédios como o Trileptal e Rivotril, além de complementos alimentares e fraldas. Cabe à Secretaria de Saúde de Uberaba fornecê-los, por força de mandado judicial. Ainda assim, o pai da menina não consegue ser atendido, já tendo ficado três meses sem receber um dos medicamentos.
ESQUISITICES ---- Nada justifica colocar dificuldades para salvar vidas, e pior ainda, no caso de Uberaba, onde os próprios administradores da saúde pública já reconheceram que QUEIMAM MILHARES DE CAIXAS DE REMÉDIOS periodicamente.


MERCADO DE TRABALHO
Fundação de Desenvolvimento de Pesquisa – Fundep, abriu inscrições, nesta segunda-feira, 9 de abril, para o concurso público da Prefeitura de Uberaba. São 494 vagas, sendo 238 para nível médio e técnico e as outras 256 para nível superior. O presidente da Comissão de Concursos, Romes Júnior, lembra que as inscrições terminam dia 9 de maio, e que a taxa é de R$ 29,50 para nível médio e R$ 45,00 para superior.
DETALHES --- A apresentação de títulos, no caso de nível superior, será feita logo após a inscrição. A requisição de isenção e as inscrições são realizadas somente pelo site da Fundep (www.gestaodeconcurso.com.br). A isenção deve ser requerida até dia 13 de abril. 
As provas acontecem dia 3 de junho, e expectativa, de acordo com Romes Júnior, é de que o concurso seja homologado dia 30 de junho. 

PRAZO ENCERRADO
Secretários estaduais e municipais, magistrados e defensores públicos que pretendem concorrer ao cargo de vereador em outubro de 2012 só poderão disputar as eleições se tiverem deixado o cargo até dia 7 de abril, sábado, ou seja, seis meses antes. Se não providenciaram o afastamento, automaticamente estão inelegíveis para cadeiras na Câmara Municipal.
MAIS TEMPO --- A próxima data agora – 7 de junho, é para quem deseja concorrer ao cargo de prefeito. Devem sair de seus postos aqueles que almejam uma vaga de prefeito e são ministros de Estado, membros do Ministério Público, defensores públicos, magistrados, militares em geral, secretários estaduais e municipais, os que ocupam a presidência, a diretoria ou a superintendência de autarquia ou empresa pública, os que são chefes de órgãos de assessoramento direto, civil e militar da Presidência da República e os dirigentes sindicais, entre outros.
MAIS TEMPO AINDA --- A três meses da eleição, ou seja, em 7 de julho, quem tem de se afastar dos respectivos cargos para concorrer à prefeitura são os servidores públicos em geral, estatutários ou não, dos órgãos da administração direta ou indireta da União, Estados, Distrito Federal e municípios.
INELEGIBILIDADE --- A Constituição Federal, por sua vez,  também prevê casos de inelegibilidade. De acordo com o parágrafo 5º do artigo 14, na eleição municipal, são inelegíveis o cônjuge do prefeito e os parentes consanguíneos ou afins, até o segundo grau ou por adoção, que pretendem concorrer na mesma cidade do chefe do Executivo. A regra também vale para quem tiver substituído o prefeito dentro dos seis meses anteriores à eleição, salvo se já for titular de mandato eletivo e candidato à reeleição
PREFEITO --- Os prefeitos que estão exercendo o primeiro mandato não precisam deixar o cargo para concorrer à reeleição. Os parlamentares que querem concorrer à prefeitura também não precisam sair do Congresso Nacional e nem das assembleias legislativas e das câmaras municipais. Os profissionais que têm atividades divulgadas na mídia, como atores e jogadores de futebol, também não precisam interromper suas atividades para se candidatar a prefeito.
VEREADORES ---- Assim como para prefeito, os parlamentares que pretendem se candidatar a vereador não precisam se afastar de suas funções. Os servidores públicos devem obedecer à mesma regra para prefeito, ou seja, deixar seus cargos nos três meses que antecedem a eleição.

RESQUÍCIOS
A seis meses das eleições municipais – prefeito, vice e vereadores, ainda existem três processos relativos à campanha de Uberaba de 2008 tramitando no Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais. Um deles diz respeito à rejeição de contas de um candidato, outro tem a ver com denúncia de divulgação irregular de pesquisa eleitoral, e um terceiro, sobre campanha extemporânea de uma candidata a vereadora.
DETALHE --- Um deles – o da desaprovação de contas, que está em fase de recurso, ainda pode repercutir nas eleições de 2012.

FERVURA
Ao todo, as eleições municipais de 2008 provocaram 69 processos em Uberaba, envolvendo desde pedido de resposta no horário eleitoral, até denúncias de abuso do poder econômico e de propaganda irregular.

--------------------------------------

CURIOSIDADE HISTÓRICA
O córrego que insiste em emergir
Córrego das Lajes - Avenida Leopoldino de Oliveira, próximo à Chácara
dos padres dominicanos, onde hoje é o Mercado Municipal - Centro
Foto: de 1938 - Autoria desconhecida - Restauração: Paulo Lemos
(Acervo: Arquivo Público de Uberaba)
Projeto Água Viva – conquistado no governo Marcos Montes e iniciado na administração Anderson Adauto, entra nas próximas horas numa de suas fases mais complexas, em se tratando de localização de obras.
Em busca de soluções para as enchentes, o projeto chega a trechos da avenida Leopoldino de Oliveira - entre as avenidas  Santos Dumont e Guilherme Ferreira, e da avenida Guilherme Ferreira - entre as avenidas Leopoldino e a Nelson Freire.
Justamente onde ocorrerá maiores interferências no dia-a-dia da comunidade” – reconhece e alerta o atual governo, ciente de que as obras vão provocar chiadeira generalizada.
Feito o preâmbulo, vamos ao verdadeiro tema desta edição de Curiosidade Histórica: o Córrego das Lajes.
Avenida Leopoldino de Oliveira
Foto: década de 1940
Autor: Postal Colombo
Restauração: Paulo Lemos
Acervo: Arquivo Público Uberaba
Em sua dissertação de mestrado – concluído com honra, o  geógrafo, professor, escritor, ambientalista – e “sonhador acima de tudo”, como ele se identifica, Renato Muniz Barreto, avaliou:
_ O córrego das Lajes foi um importante elemento de arranjo do crescimento urbano. A cidade desenvolveu-se às suas margens e o “engoliu” ou, se quisermos entender desta forma: “matou o curso d’água”, transformando-o num mero receptor de esgotos.
Em comentário a Curiosidade Histórica, o mestre justifica sua opção:
_Estudar o processo de urbanização e a importância da bacia do córrego das Lajes faz parte do entendimento da dinâmica urbana de Uberaba. Procurei conhecer essa dinâmica ambiental, o que aconteceu com o córrego e com a própria cidade, e fiz uma análise das soluções propostas pelo poder público, e concluí que, quase todas são insuficientes e ineficazes para solucionar o problema das enchentes e resolver a própria situação ambiental da cidade.
A dissertação, cujo título foi "Vida e morte de um córrego: a história da expansão urbana de Uberaba, MG e do córrego das Lajes”, revela 100 anos de história de Uberaba e de como a cidade "engoliu" o seu principal curso d'água, o Córrego das Lajes.
Tem cerca de 300 páginas, e o trabalho completo foi entregue ao Arquivo Público de Uberaba.

ATRAÇÃO
Córrego das Lajes na avenida Leopoldino de Oliveira
Canal aberto e parapeitos - próximo à ponte no
cruzamento com a rua Artur Machado
Foto: de 1961 - Autor: José Kalkbrenner
Restauração: Paulo Lemos
Acervo: Arquivo Público de Uberaba
Ressalte-se que a dissertação de Renato Muniz não é a única sobre o Córrego das Lajes, mas, é citada em vários outros trabalhados.
Muitos uberabenses basearam suas dissertações de mestrado e monografias de especialização no riacho que desperta tanto interesse.

ORIGEM
Narram todos os textos sobre a história da cidade, que Antônio Eustáquio da Silva e Oliveira – o major Eustáquio, estabeleceu-se, em 1809, próximo ao Córrego das Lajes, e que, ao redor de sua residência, surgiu Uberaba.
Dali, ele foi o chefe político do local até sua morte em 1832, quando seu irmão Domingos da Silva e Oliveira – o capitão Domingos, o substituiu na tarefa de mandar e desmandar.
Em sua dissertação de mestrado, Joyce Silvestre de Sousa volta no tempo:
_O processo de ocupação urbana do município de Uberaba começou nas margens do Córrego das Lajes, mostrando que, desde o início, as primeiras moradias estabeleceram-se no leito maior do canal.
E continua:
_Essa tendência foi natural nas primeiras ocupações que visavam, quase sempre, facilidades na captação de águas para abastecimento e dessedentação animal. Essa ocupação, porém, foi responsável por problemas ambientais relacionados à drenagem urbana e a usos inadequados.
De acordo com o trabalho – de 160 páginas, a bacia do Córrego das Lajes (...) abrange 60% da área urbana, além de apresentar um agravante natural: o formato aproximadamente circular, as encostas íngremes e as áreas aproximadamente iguais das suas sub-bacias, todos os aspectos facilitadores da concentração do escoamento superficial.
Revela ainda, que “o córrego das Lajes drena a maior parte da chuva excedente, visto que sua bacia apresenta os mais elevados níveis de impermeabilização da cidade”.
E mais:
_Nota-se que a qualidade de vida de grande parte da população da cidade está relacionada ao comportamento da bacia em dias de chuvas intensas.

AÇÃO HUMANA
Tanto Renato Muniz quanto Joyce Silvestre atribuem os problemas do Córrego das Lajes à ação humana – desde a instalação de major Eustáquio até os tempos atuais.
Segundo Renato, as águas do Córrego das Lajes, ao longo da história, foram usadas para matar sede do gado, como despejo de esgotos, e, finalmente, aprisionadas em um canal sob uma avenida larga, ladeada de prédios altos de ambos lados. Se refere à avenida Leopoldino de Oliveira.
Segundo ele, a história de Uberaba é a história de uma cidade que engoliu suas águas.
Hoje – desabafa o mestre em Geografia, o córrego, sepultado, se faz visível e presente, através das inundações causadas pela urbanização, que foi realizada sem preocupação com a natureza.
Renato e Joyce lembraram em suas respectivas dissertações, que a canalização do Córrego das Lajes iniciou-se na década de 1930, modificando toda a paisagem urbana e alterando o escoamento das águas.
Depois disto – segundo eles, o córrego protagonizou, já canalizado sob a avenida Leopoldino de Oliveira, via central da cidade de Uberaba, inúmeros episódios de enchentes e destruições.

HISTORICAMENTE FALANDO
(Avenida Leopoldino de Oliveira)
Em 1928 o agente executivo Olavo Rodrigues da Cunha desapropriou, por utilidade pública, os terrenos necessários à abertura de uma avenida, entre a rua Artur Machado e o Mercado Municipal.
Feita a concorrência pública, foi contratado o engenheiro Hugo Melo Matos de Castro para a execução das obras.
Em 1937 foram iniciadas as obras de canalização do Córrego das Lajes, calçamento de paralelepípedos, meio-fio, passeios de ladrilhos, curvas e terraplanagem, entre as ruas Artur Machado e Segismundo Mendes. 
As obras foram abandonadas pelo engenheiro Hugo Melo.
A Prefeitura Municipal rescindiu o contrato, fez outra concorrência pública, desta vez, assumindo o engenheiro civil Abel Reis, que concluiu as obras.
Decreto nº. 50, de 5 de março de 1938, denominou o logradouro de avenida Leopoldino de Oliveira e o decreto nº. 69, de 10 de maio de 1938, proibiu a construção de prédios ou quaisquer imóveis às margens dos córregos que atravessavam a cidade, na área urbana.
A extensão da avenida entre as ruas Artur Machado e Senador Pena se deu em 1939, e a execução dos passeios laterais ao canal da mesma, em 1943. 
A portaria nº. 301, de 18 de janeiro de 1945, aprovou o prolongamento da avenida entre as ruas Senador Pena e Jaime Bilharinho, e também a construção das avenidas Santos Dumont e Fidélis Reis.
Na década de 1970, a avenida foi prolongada da rua Jaime Bilharinho até a rua Álfen Paixão, bairro Mercês; e da praça Coronel Manoel Terra até a rua Osvaldo Cruz.
Procedeu-se, ainda, a cobertura do Córrego das Lajes.
Com o crescimento da cidade, a avenida Leopoldino de Oliveira foi se prolongando, entre as décadas de 1980 a 1990. 
  
TECNICAMENTE FALANDO
(A abrangência do Córrego das Lajes)
 Mais de 60% da malha urbana de Uberaba está inserida na bacia do Córrego das Lajes. Nota-se, pois, que a bacia do Córrego das Lajes é urbana, não se isentando, com isto, de problemas relacionados com enchentes sazonais.
O Córrego das Lajes é afluente esquerdo do rio Uberaba, de forma que a sua contribuição ocorre 60 Km a jusante da nascente do referido rio.
Sua bacia tem uma área de 2638 ha (26,38km2), com ponto mais alto na altitude 836,70 m, situado no atual loteamento Elza Amui (19º44’23,67”S, 47º53’35,58”W).
O ponto mais baixo da bacia, o qual naturalmente corresponde à sua foz, situa-se na altitude 694,60 m.
Nota-se, pois, que esses pontos estão distantes de 6774,90 m, apresentando um desnível de 142,10 m.
A foz do córrego das Lajes está na latitude 19º43’26,17”S e na longitude 47º57’20,12”W, localizada 300 m abaixo da travessia da Avenida Leopoldino de Oliveira sobre o rio Uberaba.
A declividade máxima da bacia é de 26,5%. A bacia tem uma largura máxima de 7889,2 m e comprimento de 6255 m.
Fontes e Referências Bibliográficas
*MORAIS, O. R. de. Enchentes em Uberaba. (Monografia de Especialização). Faculdade de Agronomia e Zootecnia de Uberaba – FAZU, Uberaba, 2001.

*CARVALHO, R. M. B. de. Vida e morte de um córrego: a história da expansão urbana de Uberaba, MG e do córrego das Lajes. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Uberlândia – UFU. Uberlândia, MG, 2004. 300 f.
*Sousa, Joyce Silvestre de, 1983- Dissertação apresentada à Faculdade de Engenharia Civil da Universidade Federal de Uberlândia, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Mestre em Engenharia Civil. 160 f.
*Biblioteca da UFU
*ARQUIVO PÚBLICO DE UBERABA. Documento fotográfico. Folha 3, 2001.
MENDONÇA, José. História de Uberaba. Edição Academia de Letras do Triângulo Mineiro, 1974

 ---------------------------
CURIOSIDADE HISTÓRICA 2
A cidade das quedas d´água
Primeira unidade de saúde de Iturama
Foto: de 1956
Acervo: Prefeitura de Iturama
Com ligações umbilicais com Uberaba, a cidade de Iturama – cravada no pontal do Triângulo Mineiro, nasceu do sonho da proprietária da fazenda Santa Rosa de agradar a igreja, e, ao mesmo tempo, contribuir com a criação de um povoado.
Dona Francisca Justiniana de Andrade, viúva de Antonio Paula Diniz, herdara um enorme latifúndio, e por volta de 1897 decidiu doar 189 alqueires para a Diocese de Uberaba, em honra ao Sagrado Coração de Jesus.
A escritura foi assinada em São Francisco de Sales, dia 24 de março de 1897.
Pousada de mascates, tropeiros e boiadeiros, e localizada ao lado de belíssimas cachoeiras, banhada pelo rio Grande, e fincada numa região habitada por índios Caiapós, a fazenda foi facilmente povoada.
Denominado Santa Rosa, o povoado, de início, pertencia ao município de Frutal.
Em 1905 – e portanto apenas oito anos após a doação, o local foi fortalecido com a construção de uma capela, conforme a vontade da doadora.
A igrejinha atraiu pessoas de várias regiões, e, a partir daí, começou a venda de áreas.
Sem nomes de destaque, o povoamento foi todo marcado por pessoas anônimas, e portanto, pouco se sabe a respeito dos primeiros desbravadores.

ASCENSÃO
Quando o município de Campina Verde foi criado, em 1938, o povoado de Santa Rosa foi elevado a distrito, permanecendo nesta condição por cinco anos.
Em 31 de dezembro de 1943, o distrito de Santa Rosa passou a se chamar distrito de Camélia, de acordo com o decreto-lei nº 1.058.
Em 1948 iniciou-se uma campanha objetivando a emancipação de Camélia, e finalmente, no dia 27 de dezembro de 1948, pela lei nº 336, foi criado o município de Iturama.
As cachoeiras inspiraram o nome da cidade, que significa “região das quedas d´água”.

ADMINISTRAÇÃO
Centro Administrativo de Iturama - 1960
Acervo: Prefeitura de Iturama
Dia 1º de janeiro de 1949 foi instalado, em sessão solene, o município de Iturama, em solenidade presidida pelo 1º juiz do local, Palmério Urzedo de Queiroz.
Heliodoro Gonçalves da Maia foi nomeado intendente pelo governador de Minas Gerais, Milton Soares Campos, e dia 22 de março a prefeitura foi instalada numa das salas do antigo prédio do Hotel São Paulo, na praça Santa Rosa.
Ao mesmo tempo, foram eleitos os primeiros prefeito, vice-prefeito, vereadores e juiz de paz.
O primeiro prefeito eleito de Iturama foi Antônio Ferreira Barbosa, tendo Aristóbulo Nunes de Freitas como vice-prefeito.
A Câmara foi constituída em 2 de abril de 1949, e no dia seguinte aconteceu a posse do prefeito e dos vereadores.
O aniversário da cidade é comemorado em 23 de agosto, o dia da padroeira da cidade: Santa Rosa de Lima.

FIM DA ALDEIA
Os primeiros habitantes na região onde está situado o município do Iturama foram os índios Caiapós, nas proximidades da Cachoeira dos Índios, a 20 km da sede do município, onde atualmente funciona a Usina Hidroelétrica de Água Vermelha.
O local onde os indígenas fizeram seu aldeamento - denominado Aldeia dos Índios, foi submerso e desapareceu com a criação da barragem que originou a construção da usina na divisa entre Minas Gerais e São Paulo.
Destaque-se que esta não foi a primeira expulsão dos Caiapós. Eles já eram retirantes da região de Uberaba e Araxá.

DISTÂNCIAS
Iturama ---- Belo Horizonte
_780 quilômetros
Iturama ----- Campina Verde
_80 quilômetros
Iturama------Uberaba
_297 quilômetros
 POPULAÇÃO
 34.890 habitantes
_Estimativa 2011 do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
ELEITORADO
27.184 inscritos
Iturama atual
---------------------------
CURIOSIDADE HISTÓRICA ESPECIAL
Alexandrita
Diferenças à parte, o Triângulo Mineiro também tem – a exemplo do Egito, uma povoação denominada em homenagem a um Alexandre.
No Egito surgiu em 332 a.C. a cidade de Alexandria, fundada pelo rei da Macedônia, Alexandre, o Grande.
No pontal do Triângulo Mineiro, em Iturama, surgiu em 1953 o distrito de Alexandrita – uma homenagem a dom Alexandre Gonçalves do Amaral.
Bispo de Uberaba de 1939 a 1962 – quando se tornou o primeiro arcebispo da Arquidiocese, dom Alexandre visitava as povoações sob sua administração, em trabalho pastoral.
Entre estas localidades estava o povoado de Monte Alto, cujas terras tinham sido doadas à Diocese de Uberaba, em 1850, pelo casal José Alves de Oliveira e Rita Maria de Jesus, devoto de Santa Rita de Cássia.
Em 12 de dezembro de 1953, o então governador Juscelino Kubitschek sancionava a lei 1.039, elevando Monte Alto a distrito de Iturama, só que agora, com um novo nome, escolhido pelos moradores do local: Alexandrita.
As homenagens a dom Alexandre não ficaram apenas no nome do distrito. A escola estadual sediada no distrito também leva seu nome.

OS ALEXANDRES
Os dois Alexandres se destacam ainda, pela erudição.
Na década de 1940 dom Alexandre foi considerado o mais notável bispo brasileiro em coordenações de ações da ação católica e considerado o maior orador sacro no Brasil.
Por muitos anos, foram célebres os sermões das sete palavras na Sexta-Seira Santa na Catedral de Uberaba, sempre intermeados com frases em latim, italiano, francês e termos teológicos citados em grego. Ele citava Santo Tomás de Aquino em latim.
Alexandre, O Grande teve como professor ninguém menos do que o filósofo Aristóteles – que dispensa comentários.
Apesar de outra semelhança – a ascensão meteórica, existe entre os dois – entretanto, uma diferença marcante.
Alexandre, O Grande morreu aos 33 anos de idade.
Já dom Alexandre viveu 96 anos. Foi ordenado padre com apenas 23 anos, nomeado bispo com apenas 33 anos e morreu como o mais velho do mundo em antiguidade de ordenação episcopal - 63 anos como bispo.
Fontes 
*Prefeitura de Iturama
*Arquidiocese de Uberaba

LEI 1.039 de 12/12/1953
Texto Original

Estabelece a Divisão Administrativa e Judiciária do Estado, a vigorar de 1º de janeiro de 1954 a 31 de dezembro de 1958 e dá outras providências.
O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte lei:
 Art. 1º - A Divisão Administrativa e Judiciária do Estado, que vigorará de 1º de janeiro de 1954 a 31 de dezembro de 1958, de acordo com o disposto nos arts. 66 e 170 da Constituição Estadual, é a estabelecida nesta lei.
(...)
Art. 3º - A Divisão Administrativa e Judiciária do Estado, para o referido quinquênio, compreende 271 Comarcas, 485 Municípios e 1.215 Distritos. O distrito, com categoria única, é a circunscrição primária do território estadual, para fins de administração pública e da organização judiciária.
§ 1º - Nos anexos, que constituem parte integrante desta lei, é feita a relação sistemática e ordenada de todas as circunscrições administrativas e judiciárias da divisão territorial, de acordo com o vencido e aprovado, com indicação da categoria das respectivas sedes que têm a mesma denominação que a própria circunscrição.
§ 2º - Também constitui parte integrante desta lei o Anexo nº 2, contendo a descrição sistemática dos limites circunscricionais, e onde se definem os perímetros municipais e as divisas interdistritais.
(...)
Art. 5º - Para que possa ser instalado o distrito, é necessária a delimitação prévia dos quadros urbanos e suburbanos da se.
(...)
Art. 15 - Esta lei entrará em vigor a 1º de janeiro de 1954, revogadas as disposições em contrário.
 Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conhecimento e execução desta lei pertencer, que a cumpram e façam cumprir, tão inteiramente como nela se contém.
 Dada no Palácio da Liberdade, Belo Horizonte, 12 de dezembro de 1953.
 JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA

ANEXO
DA LEI Nº 1.039 DE 12 DE DEZEMBRO DE 1953
QUADRO DA DIVISÃO TERRITORIAL, ADMINISTRATIVA JUDICIÁRIA DO ESTADO, PARA O QUINQUÊNIO 1954-1958
 CIRCUNSCRIÇÕES JUDICIÁRIAS CIRCUNSCRIÇÕES ADMINISTRATIVAS
(...)
CIRCUNSCRIÇÕES SIMULTANEAMENTE ADMINISTRATIVAS E JUDICIÁRIAS
 Nº de DISTRITOS CATEGORIA
(...)
226 Iturama Cidade
Vila: 227-Alexandrita (ex-Monte Alto)

ANEXO Nº 2
DA LEI Nº 1.039, DE 12 DE DEZEMBRO DE 1953 – DIVISAS
(...)

Nº 68 - MUNICÍPIO DE ITURAMA
 b) Divisa interdistrital
Entre os distritos de Iturama e Alexandrita: Começa no rio Grande, na foz do seu afluente denominado Ribeirão; sobe por este até sua cabeceira, no divisor do rio Grande-rio São Domingos; segue por este divisor até defrontar a cabeceira do córrego do Encontro, alcança esta cabeceira e desce pelo córrego do Encontro até sua foz no ribeirão Areião; por este abaixo pelo ribeirão Reserva até sua foz no rio Paranaíba.
Fonte
*Assembleia Legislativa de Minas Gerais




--------------------------------------







Nenhum comentário:

Postar um comentário