11 de abril de 2012

CONTA-GOTAS...Notícias

CURIOSIDADE HISTÓRICA ---- A neta mais ilustre de Uberaba e seu vizinho jornalista
QUESTIONAMENTOS ---- Tribunal de Contas suspende concurso da Prefeitura

ENTREVEROS PEEMEDEBISTAS
Frequentadores das redes sociais foram surpreendidos esta semana com uma mensagem no mural do prefeito Anderson Adauto (PMDB) no Facebook. Não foi postada por ele, mas sim, compartilhada pelo secretário-geral do PMDB, João Caldas, que acaba de ser demitido de cargo importante no governo municipal por ter repercutido uma piadinha sobre frangos e galos, numa história até agora, um tanto quanto confusa.
AS FILIAÇÕES --- Mas, deixando de lado a piada (que merece apurações mais profundas), o certo é que João Caldas compartilhou com seu ex-chefe, mas ainda companheiro de PMDB, a lista de tempo de filiação dos cinco pré-candidatos a prefeito da legenda. Segundo ele, os dados foram pesquisados no site do Tribunal Superior Eleitoral - TSE.
MORAL DA HISTÓRIA ---- De repente, se não entrarem num acordo, pode até ser que o filiado mais antigo – ou o mais recente, dependendo dos critérios, seja o escolhido. Veja acima o quadro postado por João Caldas no mural do prefeito de Uberaba.

OLHO CLÍNICO
Pelo que tem observado aqui e acolá, a coordenadora de Políticas Públicas Para Mulheres e presidente do Conselho Municipal da Mulher, ex-vereadora Marilda Ribeiro Resende, do PT, acredita que a campanha eleitoral em Uberaba está sendo articulada para se chegar ao segundo turno. “A priori, os dois lados – situação e oposição, parecem estar investindo nisso”, conclui ela.
DISPERSÃO ---- Pelo menos dez partidos estão articulando o lançamento de candidaturas próprias à sucessão do prefeito Anderson Adauto, e as principais lideranças da campanha – o próprio Anderson, da situação, e o presidente do PSD de Uberaba, deputado federal Marcos Montes, da oposição, não dão demonstrações de que estão chateados com isso.
DUAS ELEIÇÕES --- Se os partidos levarem a cabo suas pretensões, dificilmente um dos candidatos alcançará maioria absoluta no primeiro turno, dia 7 de outubro, ou seja, a metade dos votos mais 1. Assim, os dois mais votados voltam à disputa no segundo turno, dia 28 de outubro.
ELEITORADO --- Vale lembrar que Uberaba está entre os municípios com mais de 200 mil eleitores, e portanto, em condição de realizar dois turnos em 2012. E os números ainda podem aumentar até 9 de maio, quando termina o prazo para inscrição de novos eleitores e de transferências de títulos.
OLHO GRANDE
Estão sonhando com a cadeira de prefeito o PMDB; o PSDB; o PR; o PT; o PSB; o DEM; o PPS; o PV; o PSC; o PMN e o PDT.

QUEM AVISA...
Páginas de alguns partidos políticos de Uberaba nas redes sociais estão ficando divertidíssimas pra quem acompanha de fora – especialmente os jornalistas. E não demora muito, vão render boas matérias nos veículos de comunicação. Detalhe é que os “coordenadores” destas páginas as estão tratando como se fossem espaços pessoais, onde postam suas fotos a torto e a direito, além de comentários e temas de seus interesses.

CURIOSIDADE HISTÓRICA
(Especial)
E por falar em redes sociais, o presidente da Câmara, Luiz Dutra (PDT), e o ex-deputado estadual e ex-quase futuro pré-candidato a prefeito pelo PSDB, Fahim Sawan, postaram suas histórias de vida no Facebook. Sem medo de ser detalhista, Dutra conta sua vida desde que nasceu “em Uberaba assistido por uma parteira na Rua Barão da Ponte Alta 77 (hoje 407)” até os dias atuais. Já Fahim, mais contido nas palavras, aproveita pra agradecer a Deus e ao povo que manifesta “carinho” por ele.

ANÁLISE DE UM TELESPECTADOR
TV Câmara – programa oficial exibido pela Universitária/Canal 5, fez história na terça-feira, dia 10 de abril, ao mostrar partes da sessão da Câmara de Vereadores que votou projetos reajustando salários daqui e acolá – e claro, guardadas as devidas proporções. Cenas sinceras, outras nem tanto, o certo é que teve de tudo: comédia, drama, terror, suspense, aventura etc.
LÁGRIMAS ---- Fazendo coro com centenas de servidores da Prefeitura de Uberaba – que estão passando dificuldades financeiras gravíssimas, o vereador, jornalista, radialista e pré-candidato a prefeito pelo PMDB, Tony Carlos, foi às lágrimas, literalmente falando, ao fazer seu pronunciamento.
NA TEORIA ---- Da parte do Executivo – e aprovados por unanimidade pela Câmara, projetos reajustaram os salários dos pobres servidores pobres em 6% parcelado em três vezes, mais R$ 60 (também divididos) de aumento no tíquete-alimentação, enquanto a correção salarial do prefeito, do vice e dos secretários municipais foi de 5,6%, também em três vezes.
NA PRÁTICA ---- Os 5,6% sobre os salários do prefeito, vice e secretários representam, respectivamente, cerca de R$ 1 mil a mais nos vencimentos de Anderson Adauto (PMDB) – salta de R$ 18,8 mil para R$ 19,8 mil; cerca de R$ 600 a mais para Paulo Mesquita (PR) – pula de R$ 12,4 mil para R$ 13 mil; cerca de R$ 400 a mais para os ocupantes de cargos de primeiro escalão – salta de R$ 8,2 mil para R$ 8,6 mil.
*Enquanto isso, uma grande parte dos servidores vai continuar vivendo com salário mínimo (cerca de R$ 600) depois do reajuste de 6%.
 -------------------------------
“Quase chorei também junto com o Tony Carlos quando li a reportagem...Affff... É isso aí Uberaba...”
Edvane Cipriano --- Comentário postado na página do SSPMU no Facebook
 --------------------------------------
NEM TÃO TRISTES
Pronunciamentos dos vereadores – cheios de lamentos, críticas e angústias por causa dos 6% dos servidores da Prefeitura, foram um tanto quanto amenizados na hora de votar reajuste para seus próprios salários. Aplicação de 5,52% sobre os atuais R$ 8,1 mil por mês vai provocar um salário de R$ 8,4 mil para cada vereador.
VOTO CONTRA ---- O vereador José Severino (PT), que se manteve em silêncio durante a mobilização dos servidores municipais por melhores salários, votou contra o reajuste de 5,52% sobre seu próprio salário. Dispensou assim, cerca de R$ 300 por mês.
VOTO QUASE CONTRA ---- E o vereador Marcelo Machado – o Borjão (DEM), até que votou contra, mas mudou de ideia e deu o voto favorável. Mas, justiça seja feita: ao contrário de Severino, o democrata Borjão tem participado da mobilização dos servidores desde o início, não poupando críticas ao prefeito, seu ex-amigo, ex-aliado e ex-colega de PMDB.

REAÇÕES PARALELAS
DECEPÇÃO ----Sentados, da esquerda para a direita: Adislau Leite,
Jasminor Costa e Luís Carlos, acompanhando a sessão
da Câmara, em que foi aprovado o reajuste de 6% parcelado
para os servidores municipais
(Foto: Hedi Lamar Marques - Câmara Municipal)
Paralelamente a toda esta encrenca salarial, os presidentes dos três sindicatos que representam os servidores da Prefeitura de Uberaba foram chorar em casa, entre quatro paredes. De público, as reações foram – e continuam sendo, de decepção, desespero, raiva, arrependimento, desânimo, e assim por diante.
ELEIÇÕES 2012 ---- Dizem as más línguas, ainda, que Adislau Leite, do Sindemu - sindicato dos educadores; Jasminor Costa, do Sindae – sindicato do Codau, e Luís Carlos, do SSPMU – sindicato dos servidores, também andaram acendendo uma velinha aqui, outra ali, pros santos da preferência.

CONCURSO SUSPENSO
Dezoito questionamentos levaram o Tribunal de Contas de Minas Gerais a barrar o concurso público aberto pela Prefeitura de Uberaba dia 9 de abril, segunda-feira, para preencher cerca de 500 vagas. Secretaria de Administração e a Procuradoria do Município trabalham contra o tempo para esclarecer todas as dúvidas do TC, que vão desde os cálculos para vagas destinadas a deficientes físicos até os valores atualizados dos salários (que, diga-se de passagem, estão sendo alterados).
SEM PREJUÍZOS --- O presidente da Comissão Central para Concursos Públicos da Prefeitura, Romes Júnior, confirma que o concurso foi suspenso, mas garante que os candidatos que já fizeram inscrições, não serão prejudicados. Ele lembra que o concurso realizado em 2010 também passou por correções, a pedido do Tribunal de Contas.
Contracapa do livro Lucília - Rosa Vermelha
ROSA VERMELHA
Sucesso absoluto nas cidades do Triângulo Mineiro onde foi lançado até agora - Uberaba, Sacramento e Ituiutaba, o livro Lucília – Rosa Vermelha será apresentado em Belo Horizonte. Evento acontece nesta quinta-feira, 12 de abril, às 20h, na Assembléia Legislativa, durante sessão solene de homenagem aos 90 anos do PCdoB. Convite aos autores da obra partiu da deputada federal Jô Moraes (PCdoB/MG).
TUDO A VER --- Uberabense de nascimento, aos 18 anos de idade, em 1931, Lucília Rosa filiou-se ao então clandestino PCB - Partido Comunista Brasileiro. Seu pai, o alfaiate Calisto Rosa, e o tio, professor e agrimensor Alexandre Barbosa, católicos até sua adolescência, tornaram-se anticlericais e anarquistas, exercendo importante influência sobre ela.
COMUNISTA, SIM SENHOR ---- Apesar de ter buscado outra sigla pra se candidatar a vereadora, Lucília nunca escondeu sua paixão pelo comunismo. Morreu aos 98 anos, em 3 de março de 2011, quando foi decretado luto oficial de três dias em Uberaba. Lucília Rosa deixou dois filhos. Calixto Rosa Neto foi eleito vereador pelo PSD em Campo Florido, em 1963, cassado e preso pelo regime militar, e elegeu-se vereador em Uberaba, com mandato de 1983 a 1988, pelo PMDB. Moizés Soares Rosa foi diretor da cooperativa Uniodonto. Lucília teve 13 netos, oito bisnetos e uma trineta.
O LIVRO --- Lucília – Rosa Vermelha tem 250 imagens, foi editado pela Editora Bertolucci, de Sacramento, e fala sobre a vida da comunista e de fatos ligados a ela. Idealizado pela jornalista Evacira Coraspe e escrito pela historiadora Luciana Maluf Vilela e o jornalista Luiz Alberto Molinar, o livro reúne depoimentos e documentos coletados ao longo de mais de três anos de pesquisas realizadas pelos autores.
FAMÍLIA PRESTES --- O acervo de Lucília Rosa inclui uma série de documentos, entre eles correspondências que manteve com Luiz Carlos Prestes, secretário-geral do PCB entre os anos de 1930 e 1980, e com Anita Leocádia, filha dele com Olga Benário, morta em campo de concentração nazista, na Alemanha. Lucília manteve contato permanente com ela por mais de 30 anos.
A TIA ---- Elas chegaram a morar juntas durante dois anos e meio, clandestinamente, na década de 1970. Passava-se por tia de "Alice Nascimento", codinome de Anita. Residiu também, durante três meses, em 1962, na capital paulista, com a família de Prestes, a quem ajudava a cuidar de seis dos sete filhos.

----------------------------------------
CURIOSIDADE HISTÓRICA
A NETA DE TIRADENTES
(Moradora ilustre de Uberaba)
Nada menos do que dez páginas são recheadas com a notícia biográfica de dona Carolina Augusta Cesarina – escrita por Antônio Borges Sampaio em 1906 e publicada em 1909 pela Revista do Arquivo Público Mineiro.
Dona Carolina Cesarina - neta do primeiro mártir da independência
(Foto: Acervo do Arquivo Público Mineiro)
Correspondente do Arquivo, Borges Sampaio escreveu a notícia biográfica um ano após a morte de dona Carolina – que viveu em Uberaba durante 55 anos, e morreu aos 85 anos de idade, dia 30 de setembro de 1905.
Dia 9 de outubro de 1905, o “Jornal do Commercio” – do Rio Janeiro, publicou a nota de falecimento, também enviada por Borges Sampaio, que fez questão de citar a publicação na notícia biográfica.
Todo este interesse tinha razão de ser.
Dona Carolina era neta do alferes e inconfidente Joaquim José da Silva Xavier – o Tiradentes.
PERSONALIDADE
Ressalte-se, porém, que antes do falecimento de dona Carolina, Borges Sampaio já cuidava de divulgar a presença e a vida da moradora ilustre de Uberaba.
Em 21 de abril de 1903 ele desenhou a genealogia do avô famoso, narrada a ele, de viva voz, pela própria neta de Tiradentes.
E, em 1904 conseguiu sua publicação na Revista do Arquivo Público Mineiro, sob o título  Genealogia do Alferes Joaquim José da Silva Xavier.
Facilitava para o “jornalista e antenado” Borges Sampaio o fato de dona Carolina ser vizinha dele.
_Conheço D. Carolina Augusta Cesarina de vizinhança desde sua vinda para Uberaba em 1848; assim como conheço pessoalmente, na sua descendencia, a filha Gavina e todos os netos, bisnetos e tataranetos nomeados: mas não conheci a filha Carlota. Conheci também pessoalmente sua mãi Maria Francisca da Silva e os irmãos – José de Almeida Beltrão, Justino de Almeida Beltrão e Belchior de Almeida Beltrão; bem como o sobrinho Flavio Gomes de Moura, filho de Anna de tal.
AS ORIGENS
De acordo com a genealogia desenhada por Borges Sampaio, o alferes Joaquim José da Silva Xavier era casado com Eugenia Joaquina da Silva, e pai de João de Almeida Beltrão. Este, por sua vez, se casou com Maria Francisca da Silva, com quem teve nove filhos, entre eles, Carolina Augusta Cesarina.
Dona Carolina nasceu nos Quartéis-geraes, município de Indaiyá, em março de 1819 e mudou-se para Uberaba, aos 29 anos de idade, em agosto de 1848.
De acordo com a genealogia, o pai de dona Carolina morreu nos Quartéis-gerais, mas sua mãe, Maria Francisca, faleceu em Uberaba, onde morava com a filha depois da morte do marido.
Quinta filha, dona Carolina se casou com Antonino Alves de Rezende, com quem teve duas filhas: Gavina Augusta Cesarina, viúva de Bernardino Martins Veiga, e Carlota Augusta Cesarina, casada com Felicíssimo Vieira da Silva, ambos falecidos - quando a genealogia foi escrita, e sem deixar filhos.
Gavina, por sua vez, teve dois filhos: Carolina Augusta Cesarina (viúva de José Pereira Vianna), e José Augusto Tiradentes, casado com Luiza Magnânima Tiradentes.
Os filhos, netos, bisnetos e tataranetos de dona Carolina sempre viveram em Uberaba.
PERFIL
Na notícia biográfica publicada em 1909 – mas escrita três anos antes, Borges Sampaio é detalhista sobre dona Carolina.
_Em virtude de frequentes ataques de natureza nervosa, molestia que a afflige desde a mocidade, conserva-se constantemente assentada ou deitada em um canapé, conservando o espirito lucido e boa memoria.
Ainda segundo ele:
_Quando moça era de estatura alta, direita, harmonicamente bem conformada, de tez clara, conversação agradavel, espirituosa. Os traços de seu comprido rosto denunciavão as do Proto-Martyr avô; hoje, que as formas arredondadas desapparecerão em consequencia da longa idade, parecem mais salientes esses traços – a julgar-se pelos da medalha distribuida em Ouro Preto, quando foi, alli, elevada a estatua e algumas gravuras.
CONVIVÊNCIA
Na notícia biográfica publicada pelo Arquivo Público Mineiro, Borges Sampaio descreve:
_Nos cincoenta e cinco annos que aqui ha permanecido, gerou muita estima entre as pessoas mais distinctas da sociedade Uberabense. Sempre foi muito prestimosa e caritativa: criou e educou meninas, que depois forão boas mãis de familia; dispõe de muita intelligencia e habilidade, sendo excellente dona de casa, attributos que ainda possue. Foi,e ainda é, muito visitada – muitas familias fazendeiras, vindo á cidade, não se retirão sem visitar a – d. Carolina -, como geralmente se conhece.
 
*FONTE – ÍNTEGRA DA NOTÍCIA BIOGRÁFICA

TIRADENTES
(A punição para servir de exemplo)
Considerado o líder da Inconfidência Mineira e primeiro mártir da luta pela independência do Brasil, Joaquim José da Silva Xavier nasceu na Vila de São José Del Rei (atual cidade de Tiradentes, Minas Gerais) em 1746, foi criado na cidade de Vila Rica (atual Ouro Preto), e executado em 21 de abril de 1792 no Rio de Janeiro.
Foi tropeiro, mascate e dentista (daí o apelido Tiradentes). Trabalhou em mineração e tentou a carreira militar, chegando ao posto de alferes no Regimento de Cavalaria Regular.
Foi na tropa que Tiradentes entrou em contato com as ideias iluministas que inspirariam a Inconfidência Mineira - primeira revolta no Brasil Colônia a manifestar claramente a intenção de romper laços com Portugal, marcando o início do processo de emancipação política do Brasil.
A revolta foi motivada ainda pela decisão da coroa de cobrar a derrama, uma dívida em atraso. A conspiração foi delatada por Joaquim Silvério dos Reis e todos os seus participantes foram presos.
Sobre Tiradentes, recaiu a responsabilidade total pelo movimento, sendo o único conspirador condenado à morte. Seu corpo foi esquartejado e os membros foram espalhados pelo caminho que ligava o Rio de Janeiro a Minas Gerais.
Sua cabeça foi exposta em Vila Rica.
Com a morte de Tiradentes, o Estado português queria demonstrar uma punição exemplar para desencorajar qualquer revolta contra o regime colonial.

JORNALISTA, SIM SENHOR
(Personagem surpreendente)
Pela segunda vez em poucos dias, Curiosidade Histórica é baseada em ação do português - nascido na freguesia de Valença do Douro, em 1827, Antonio Borges Sampaio.
*Detalhes sobre a foto logo abaixo
Na edição de 5 de abril o tema foi sua peleja incansável e surpreendente para que Uberaba tivesse suas ruas, largos, becos e travessas denominados.
Desta vez, destaca-se a sua índole jornalística – talvez a mais explícita de suas facetas, visto que ele era correspondente de vários jornais brasileiros, além de entidades e instituições culturais, entre elas, o Arquivo Público Mineiro.
Borges Sampaio veio para o Brasil em 1844, em busca de trabalho, e mudou-se para Uberaba para gerenciar uma fábrica de sal. Em Santos, SP, onde trabalhava, o dono da empresa percebeu o potencial e o indicou para montar e administrar a fábrica no interior de Minas Gerais.
Logo, Borges Sampaio montou seu próprio negócio, e, a partir daí, trabalhou como agente do correio, farmacêutico, advogado, promotor, subdelegado de polícia, jornalista, historiador e diretor de Instrução do Distrito de Uberaba.
Sem esquecer o título de coronel e o cargo de vereador, este último, exercido por 30 anos.
Como jornalista, atuava em todas as frentes.
Para se ter uma ideia, suas “notícias” se tornaram patrimônio do Arquivo Público Mineiro, que ainda hoje, o destaca entre os 12 principais doadores de todo o acervo, cujos documentos chegaram à entidade, isoladamente, ao longo dos anos.
O ARQUIVO 
Criado em Ouro Preto em 1895, o Arquivo Público Mineiro – APM, é a instituição cultural mais antiga de Minas Gerais. Ele é responsável pela gestão do patrimônio arquivístico produzido pelo Poder Executivo de Minas Gerais e dos documentos privados de interesse público e social.  
Hoje, funciona em Belo Horizonte, na avenida João Pinheiro 372, Bairro Funcionários - 30130-180 | Telefax: (31)3269-1060 / (31)3269-1167.
Inventário da coleção do Arquivo Público Mineiro – revisado e atualizado em 2011, destaca 12 doadores do acervo, cujos documentos chegaram à entidade, isoladamente, ao longo dos anos. São eles: Antônio Borges Sampaio, Carlos Prates, Euclides Leonardi, Família Almeida Barbosa, Francisco Manoel Franco, José Domingos de Assis Rocha, Olavo Bilac Pinto, Rubens Ricciardi, Rubens Catalan, Alberto Lima, Joaquim Ferreira, Saul Coelho. 

*A FOTO DA FAMÍLIA

LAMENTO APÓS QUASE 59 ANOS DE CASAMENTO - A imagem do acervo do Arquivo Público Mineiro mostra Antônio Borges Sampaio, os filhos Hermógenes e Zeferino - e a esposa Maria Cassimira de Araújo Sampaio, a quem o político, coronel e jornalista dedicou uma “notícia” apaixonada, de seis páginas, sobre a morte da mulher, ocorrida em 10 de setembro de 1907, e publicada pela Revista do Arquivo Público Mineiro. Entre vários detalhes do relacionamento, ele conta que se casaram dia 24 de junho de 1849, e que desde março de 1850, residiam na mesma casa – o imóvel construído no Largo da Matriz, pelo fundador de Uberaba, Antonio Eustaquio, o major Eustaquio
---------------------------------------------







Nenhum comentário:

Postar um comentário