15 de abril de 2012

CONTA-GOTAS...Notícias


FILIAÇÕES DOS CANDIDATOS DE 2012
Termina na segunda-feira, dia 16 de abril, o prazo para o envio das relações de filiados pelos partidos políticos, via internet, por meio do sistema Filiaweb, ao Tribunal Superior Eleitoral. O envio das listas pela Internet é semestral e está previsto na Resolução 23.117/2009, do TSE.
DUPLICIDADES ---- Após receber a relação dos filiados, a Corregedoria-Geral Eleitoral do TSE inicia o procedimento de identificação das duplicidades de filiação partidária, isto é, daqueles cidadãos que estão inscritos em mais de uma legenda. Essa etapa será realizada entre os dias 17 e 22 de abril.
REGULARIZAÇÃO ---- Ainda nesse período, aqueles que forem identificados como filiados a duas agremiações diferentes serão notificados para informar a qual estão efetivamente associados e comprovar eventual desfiliação que não foi registrada pelo seu antigo partido. Os partidos também são notificados nos casos de dupla filiação.
A divulgação na internet das relações oficiais de filiados está prevista para o dia 23 de abril.
OLHA O PERIGO --- Aqueles que pretendem concorrer aos cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador nas eleições 2012 devem contar com, no mínimo, um ano de filiação partidária.
MORAL DA HISTÓRIA --- Cabe ressaltar que, segundo a legislação eleitoral, se a relação não for enviada até o prazo mencionado, permanece inalterada a filiação constante da relação remetida anteriormente (feita em outubro de 2011).


IMBRÓGLIOS PEDETISTAS
PDT de João Franco e Luiz Dutra -
Sem comando e farpas voando pra todo lado
(Fotos: Divulgação)
Sem comando oficial desde o dia 14 de abril, sábado, o PDT de Uberaba vai se envolvendo em novos imbróglios internos. No cerne de tudo está a disputa de poder entre o presidente da Câmara, Luiz Dutra – e portanto, o filiado mais importante da legenda, e o pré-candidato a prefeito, João Franco, que era vice-presidente na comissão executiva provisória extinta dia 14.
SITUAÇÃO x OPOSIÇÃO --- O certo é que Dutra não tem motivos pra fazer oposição ao prefeito Anderson Adauto (PMDB), com quem subiria no palanque sem qualquer dúvida. De sua parte, Franco – que acompanhou Anderson desde as épocas de Assembleia Legislativa, foi secretário municipal de áreas importantes, e considerado o homem forte do governo. Perdeu o posto e se tornou adversário.
MORAL DA HISTÓRIA ---- E assim, o bate-cabeça entre Dutra e Franco foi parar em Belo Horizonte, onde a comissão executiva provisória estadual só tem mandato até 25 de abril. Qualquer decisão agora – de baixo pra cima ou de cima pra baixo, será inconsistente. A não ser que o PDT de Uberaba realize convenção para eleger o diretório municipal. 
FARPAS ---- E falando nos imbróglios do PDT, sobrou para o então presidente – até dia 14 de abril, Luiz Henrique Borges, que decidiu cortar o microfone de João Franco quando este, num momento de exagero político, ameaçou deixar Luiz Dutra sem legenda pra disputar a reeleição como vereador. E assim, voaram novas farpas, agora com Franco criticando o ex-presidente pedetista, acusando-o, inclusive, de omisso na legenda.
A FORÇA --- Se a decisão ficar nas mãos dos filiados, ressalte-se que o PDT tem hoje, 1.916 inscritos na legenda. É o quarto colocado em Uberaba, só perdendo para o DEM, PMDB e PP.

José Luiz Alves
(Foto: Divulgação)
BARULHO EXTEMPORÂNEO...
Com 329 filiados em Uberaba e um diretório municipal eleito em janeiro de 2012, o Partido Social Liberal – PSL, recebeu o presidente estadual Agostinho Neto para um evento oficial de transmissão de posse. Quase três meses, portanto, após a eleição do comando, o ex-presidente da ex-comissão executiva provisória, Edcarlo Carneiro, o Kaká Carneiro ou Kaká Se Liga, passou o bastão da presidência para José Luiz Alves, que também é presidente do Centro Operacional de Desenvolvimento e Saneamento de Uberaba – Codau.
...E ESTRATÉGICO
Evento acontece num momento em que crescem expectativas – tanto do PSL estadual, quanto municipal e aliados, tipo o prefeito Anderson Adauto, por exemplo, sobre a possibilidade de José Luiz assumir uma cadeira na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Aliás, o prefeito fez questão de participar do evento.
Padre Júnior - Membro do Diretório do PSL
(Foto: Divulgação)
EXPECTATIVA ---- Suplente de deputado estadual pela coligação PSD-PSDC-PMN, com 32.272 votos, José Luiz está na boca da botija, esperando que algumas novas mudanças previstas para a coligação – muitas já aconteceram, cheguem até seu nome.
DESTAQUES
Por sinal, vale ressaltar que alguns nomes se destacam no diretório municipal eleito em janeiro, entre eles, do padre José Lourenço da Silva Júnior – o padre Júnior. Este último teve o nome fortemente ventilado como pré-candidato (a vereador ou prefeito), mas o assunto anda meio abafado após enfrentar um bombardeio de críticas.
MORAL DA HISTÓRIA --- Em política nem tudo é o que parece; o que está silenciado hoje, pode ter voz amanhã.

OLHO GRANDE
José Luiz fala ao microfone, ladeado pelo prefeito
Anderson Adauto, Agostinho Neto e membros do PSL
(Foto: Acervo do Kaká Carneiro)
O PSL espera eleger dois vereadores em 2012, número que foi revisto – segundo seu presidente, José Luiz Alves, em razão de a atual legislatura ter mantido as 14 cadeiras atuais. Expectativa inicial do PSL era de eleger quatro vereadores, caso a Câmara tivesse seguido a orientação política dos novos tempos e elevado o número para 21 cadeiras.
TIRO NO PÉ --- Até o presidente estadual do PSL lamentou a decisão da Câmara. Segundo Agostinho Neto, a atual legislatura deu um tiro no pé, já que, na sua opinião, estima-se uma renovação em torno de 60% nas urnas.

----------------------
"Com a manutenção das 14 cadeiras na Câmara de Uberaba, perderam os vereadores atuais e a própria população, que não viu sua representatividade ampliada”.
_Agostinho Neto, presidente estadual do PSL, durante evento da legenda em Uberaba
-----------------------------------

PRA COLOCAR NA AGENDA
Promotora de turismo cultural, Divaina Borges, tem se desdobrado pra dar conta de tantas reservas de uberabenses que querem assistir o Musical Tim Maia Vale Tudo, em São Paulo, dia 6 de maio, no Teatro Procópio Ferreira. O “rei” do espetáculo, Tiago Abravanel, está sendo aplaudido de pé ao final de cada apresentação. Informações e reserva com Divaina – Turismo Cultural. Telefones: 8872-9686 (OI) e 9236-4383 (Tim). E-mail: divaina@uol.com.br

BRASIL-MOÇAMBIQUE
Deputado federal – e pré-candidato a prefeito pelo PMDB, Paulo Piau, passou os últimos dias cuidando da divulgação do Seminário Brasil e Moçambique juntos no Combate à Pobreza e à Fome Através do Desenvolvimento Agropecuário, que Uberaba sedia de 16 a 19 de abril, no Dan In Hotel, na avenida Filomena Cartafina. A realização do evento é da Câmara de Comércio e Indústria Brasil Moçambique, com a chancela e intermediação do deputado.
MOÇAMBIQUE É AQUI --- Expectativa de Paulo Piau é de que o evento atraia a participação de 150 cidadãos africanos, entre representantes populares, técnicos e autoridades governamentais da República de Moçambique. Durante quatro dias eles vão conhecer em Uberaba processo tecnológico e as produções agrícolas e de carnes, desenvolvidos pelo município nos últimos quarenta anos.
Paulo Piau e Michel Tmer
(Foto: Divulgação)
PESO PESADO --- O próprio deputado tem feito questão de revelar que as primeiras conversas para planejar e organizar o seminário foram realizadas em 2011 no gabinete do vice-presidente da República, Michel Temer – presidente licenciado do PMDB nacional. Na oportunidade, foi formulado oficialmente a ele, o convite para a abertura do evento. Além de Temer, é esperado o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro, obviamente da cota peemedebista.
MORAL DA HISTÓRIA --- Levando em conta os boatos de que Paulo Piau tem pedido a interferência do PMDB nacional em defesa de sua pré-candidatura a prefeito de Uberaba, são grandes as expectativas de que a presença de Michel Temer possa render algumas notícias quentes e ferventes.

DIA DA SAÚDE
Reitor Marcelo Palmério participa de toda a agitação do Dia da Saúde
(Fotos do evento: Rose Dutra)
Com a presença do reitor Marcelo Palmério, foi realizado domingo, 15 de abril, no campus 2  da Universidade de Uberaba - Uniube, o Dia da Saúde, promovida pela instituição, através da Diretoria de Comunicação e Marketing, comandada por Ricardo Saud. Evento contou com a participação de todos os cursos da área da saúde, que ofereceram serviços gratuitos aos visitantes.
BOA FORMA ---- Destaque do evento, sem dúvida, ficou por conta da sétima edição da corrida rústica, com percurso de 5,5 km, que recebeu mais de 1,2 mil inscrições de atletas/corredores de Uberaba e das mais variadas regiões do país.
PREMIAÇÃO --- Além de troféus e medalhas, R$ 6 mil foram distribuídos entre os cinco primeiros colocados de cada categoria. Sem contar o sorteio de uma bicicleta entre os inscritos. Estiveram à frente da organização, o professor Silas Queiroz, diretor do curso de Educação Física da Uniube, e Andréa Sidney Rodrigues da Cunha, coordenadora de Eventos da instituição.
RESULTADO DA 7ª CORRIDA UNIUBE




















Vencedores -  Geral Masculino 
Paulo Sérgio dos Reis Carvalho (16 minutos)
Lindomar Modesto de Oliveira  (16m19s)
Kelvyn Mandes Martins (16m20s)
Leonardo Vieira Guedes (16m31s)
Joel Carlos de Menezes (16m57s)














Vencedoras - Geral Feminino
Maria Lúcia Alves Vieira Moraes (19m16s)
Grazielle Francelino Pedroso (19m23s)
Thaynara Alves Pedroso (20m10s)
Luzinete Andrade dos Santos (20m33s)
Maria Regina Santos Seguins (20m59s)

------------------------- 
“Não pude estar no encontro de hoje (sábado), devido aos meus estudos, porém fiquei sabendo que foi ótimo e relato que apesar de todos falarem que quero atrapalhar o processo e projeto 2012, parabenizo ao deputado Adelmo Leão e todos pelo evento, e DECLARO que estou à disposição do Partido, desde que não me afoguem, é claro.”
_Gustavo Vaz, em comentário no mural do PT de Uberaba
----------------------------------------

QUEM QUER SER PREFEITO
(Parte 3)
Conforme antecipado na edição anterior de Conta-Gotas, o diretório do PT de Uberaba abre inscrições nesta segunda-feira, 16 de abril – até dia 20 de abril, para os filiados que tenham interesse em candidatar-se a prefeito. Em caso de mais de uma candidatura, um Encontro Municipal vai definir o candidato através de votação dos filiados.

-------------------------- 
“Bom dia! Hoje quero aproveitar este espaço para dizer que estou muito satisfeito com o trabalho que vem sendo desenvolvido pelo pré candidato a prefeito, Rodrigo Mateus. E para aqueles que querem conhecer um pouco mais sobre ele, indico que acessem o site (www.rodrigomateus.com.br). Um excelente domingo para vocês.”
_Anderson Adauto, no seu mural do Facebook, neste domingo, 15 de abril
---------------------------------

EMANCIPAÇÃO - VAI E VOLTA
Vira e mexe alguém se lembra da luta centenária pela emancipação do Triângulo... Desta vez o tema ganhou destaque na Rádio Câmara – da Câmara dos Deputados, que está apresentando uma série de reportagens especiais sobre temas variados. Três programas foram voltados exclusivamente para os projetos de lei que têm como objetivo a criação de novos estados no Brasil.
O ESTADO DO TRIÂNGULO
(11% da população mineira, 15% do território de Minas, um PIB estimado em R$ 32 bilhões) 
*Reportagem e texto: Eduardo Tramarim
“Propor que um novo Estado seja criado no Brasil é prato cheio para que a polêmica se estabeleça.
Mais de uma dezena de vezes na história do país, parlamentares lançaram a proposta de separar a região do triângulo mineiro do estado de Minas Gerais.
Mas a tradicional bancada estadual jamais permitiu que aquela região próspera de Uberaba e Uberlândia assumisse autonomia.
Para o professor Herbert Toledo Martins, professor de Ciências Sociais da Universidade Federal do Recôncavo baiano, o caso do reclamado estado do Triângulo é um desses que causa pequenos abalos na tradição, mas não a ponto de superá-la.
CIOSAS DO TERRITÓRIO
Como a Lei prevê que a população seja chamada a participar em um plebiscito em todo o Estado, a tarefa de conseguir a autonomia do território se torna ainda mais complexa, lembra o professor:
_Um exemplo claro é Minas Gerais, um colosso geográfico. Desde a época do império se tentou dividir Minas Gerais. E nunca ninguém conseguiu. Porque nunca a bancada que foi a maior do império e a segunda maior da República deixou que dividissem Minas Gerais. Se o Triângulo Mineiro quiser novamente se emancipar, a população toda de Minas Gerias vai votar. Hoje, fica ainda mais difícil. Isso mexe com o regionalismo, com a ideologia da mineiridade que passa pela integração, pela unidade. As elites políticas são muito ciosas do seu território.
Caso se tornasse um estado, o Triângulo teria 11% da população mineira, 15% do território de Minas, e seria um estado rico para suas proporções, com um PIB estimado em R$ 32 bilhões.
Propor a autonomia de territórios também foi uma forma que, no passado, o Governo encontrou para dividir o poder da oposição ou fazer maioria no Parlamento.
Getúlio Vargas bem que tentou dividir grandes estados brasileiros como Minas Gerais e Bahia em busca de maior poder político. Não conseguiu. No máximo, criou territórios, como o de Iguaçu, no Paraná, depois extinto com a Constituição de 46 e a redemocratização do país.
No período da ditadura militar, o Estado do Mato Grosso do Sul foi criado para que o governo militar ampliasse sua base parlamentar, explica o professor.
_Mato Grosso do Sul foi criado em função de se fazer maioria no Congresso que os militares precisavam na época. Hoje passa por um plebiscito. A população é chamada para participar de um processo. Coisa que então não existia. As decisões eram tomadas dentro do Parlamento. Tocantins foi isso, em 1988. Foi um processo interno que se deu dentro da Constituinte. A população não foi chamada a participar.
Com muito mais derrotas do que vitórias no retrospecto, as propostas autonomistas continuam a pipocar, destaca o professor Herbert Martins. Basta que a população e políticos de uma determinada região sintam que estão sendo abandonados pelo poder público.
_Em um país de diferenças regionais como o nosso, esses movimentos vão surgir com frequência. O do Triângulo Mineiro que vem desde o século 19. A província de São Francisco, que pega todo o oeste baiano. Aquilo tudo pertencia a Pernambuco. Ali se reclama o estado do São Francisco. No Piauí, o vale do Gurguéia.
Para requerer a criação de um Estado é preciso propor um projeto de decreto legislativo. Hoje há mais de uma dezena de projetos na Câmara com o objetivo de criar um novo estado ou território federal.

-------------------------------

CURIOSIDADE HISTÓRICA
Elege quem pode
(Os coronéis e os padres)
Pela primeira vez, em algumas décadas, confirma-se o envolvimento direto na política partidária e uma eventual disputa de um padre em Uberaba.
Isso, apesar de a candidatura ter caído na discrição após reações contrárias e enérgicas, inclusive de católicos e apoiadores do sacerdote em questão – José Lourenço da Silva, o padre Júnior, que acabou transferido para a Pastoral Santa Edwiges, no bairro Jardim Espírito Santo, após 20 anos administrando a Igreja de São Judas Tadeu, no bairro Fabrício.
Feito o preâmbulo, ressalte-se que houve um tempo, entretanto, que o poder da Igreja Católica na cidade chegava a concorrer politicamente com os coronéis proprietários de terras – e com outros que abriam caminho na política através da ostentação de títulos como tenente-coronel, tenente, capitão, alferes, major...
Já na primeira legislatura da Câmara de Uberaba é eleito um padre - em meio a quatro capitães, um coronel e um tenente-coronel, fora os fazendeiros e parentes de poderosos. 
Para se ter uma ideia, o primeiro presidente desta legislatura foi o capitão Domingos da Silva e Oliveira, que vinha a ser, ninguém menos, ninguém mais, do que irmão do poderosíssimo Antônio Eustáquio da Silva Oliveira, o major Eustáquio – o fundador de Uberaba.
Na segunda legislatura, a Igreja Católica se fortalece na Câmara – e põe fortalece nisso!, com a posse do cônego Antônio José da Silva, o Vigário Silva, que foi duas vezes  presidente do Legislativo e agente-executivo de Uberaba (o que corresponderia ao cargo de prefeito).
VIGÁRIO SILVA
Nascido em Ouro Preto, no final do século XVIII, e irmão do coronel Carlos José da Silva, um conhecido político do Partido Conservador, Antônio José da Silva se mudou para Uberaba em 1815, onde ocupou o cargo de vigário até 1855.
No posto de primeiro clérigo da cidade, registrou a história local sob o título: “História Topográfica da Freguesia de Uberaba, vulgo Farinha Podre”.
Por volta de 1835, enviou para a Assembléia Provincial um relatório detalhado de Desemboque, demonstrando a impossibilidade dessa Vila, enfraquecida econômica e populacionalmente, continuar como sede político-administrativa da região.
Esse relatório foi decisivo para que a Freguesia se tornasse a Vila de Uberaba.
Por decreto de Dom João VI, tomou posse como Vigário Encomendador da Freguesia de Uberaba, administrando a Igreja Matriz até 1825, e como Vigário Colado até 1855.
Depois de Uberaba, Vigário Silva residiu em Sacramento e no Rio de Janeiro, onde exerceu as funções de Cônego Honorário da Capela Imperial.
Faleceu no Rio de Janeiro, em 1858.
MONSENHOR IGNÁCIO
No mesmo ano em que se mudou para Uberaba elegeu-se vereador e iniciou sua colaboração com os periódicos locais: Jornal de Uberaba, Lavoura e Comércio, Gazeta de Uberaba. Assumiu a presidência da Câmara e o cargo de Agente-Executivo em várias ocasiões. Durante sua gestão aconteceram fatos marcantes.
*Um surto da gripe espanhola (1918) dizimou parte da população de Uberaba
*Uberaba ganhou expressividade no cenário nacional como centro econômico de produção agropastoril e atingiu o apogeu do ciclo das importações do gado zebu (1913 a 1921)
*O prédio da Câmara foi demolido (1918) e novo prédio foi inaugurado, no mesmo local (1920), em cujas paredes internas Vicente Corcione e Rodolfo Mosello pintaram o painel Uberaba, Princesa do Sertão
MUDANÇAS NO PODER
A força da Igreja Católica não se mantém ao longo dos tempos, ao contrário dos “coronéis” – que só deram um descanso com o surgimento das eleições diretas.
Neste caso, os profissionais liberais se destacam, com imensa vantagem para os advogados.
Porém, outros profissionais passaram a ocupar cadeiras na Câmara de Uberaba: empresários, radialistas, oficiais de Justiça, barbeiros, engenheiros, funcionários públicos, médicos (que já tinham um certo poder nas primeiras legislaturas), e assim por diante.
A partir das eleições, os partidos políticos tomam o lugar dos títulos à frente dos nomes dos eleitos.

AS LEGISLATURAS DA CÂMARA DE UBERABA
*Durante as três fases do Poder Legislativo, houve situações de exceção, quando da Proclamação da República e quando da Era Vargas.
Fotos e biografias dos presidentes da Câmara de Uberaba
podem ser conferidos no Projeto Memória Viva
(www.camarauberaba.mg.gov.br) 

1ª FASE
1837-1889

1ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1837
*Um padre
_Francisco Ferreira da Rocha
*Quatro capitães, um coronel, um tenente-coronel

2ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1841
*2 clérigos
_Cônego Antônio José da Silva (Vigário Silva)
*Foi presidente da Câmara e Agente-Executivo
_Padre Francisco Ferreira da Rocha

3ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1845
*Um padre
 _Antônio Rodrigues Moreira
*1 capitão, um tenente-coronel, um coronel, um alferes

4ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1851
*Um cônego
_ Antônio José da Silva (Vigário Silva)
*Foi presidente da Câmara e Agente-Executivo
*Um tenente-coronel, um capitão

5ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1854
*Um tenente-coronel, dois capitães

6ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1858
*Um tenente-coronel, três capitães, um coronel

*Obs.: A partir desta legislatura o número de vereadores foi aumentado para nove, porque em 2 de maio de 1856 a Vila de Santo Antônio e São Sebastião de Uberaba foi elevada à categoria de cidade, mas de acordo com as atas de posse, o número de vereadores variava em cada legislatura entre nove e 15, ficando as­sim divididos: nove vereadores especiais e seis gerais. Para o distrito da cidade eram escolhidos três vereadores, e para cada um dos cinco distritos, outros dois vereadores. Portanto, esta classificação de vereadores podia ser alterada.
  
7ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1861
*Dois coronéis, um tenente-coronel, quatro capitães, dois alferes

8ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1865
*Três tenentes, dois capitães,um major, dois alferes

9ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1869
*Três alferes, um major, um tenente-coronel, cinco capitães

10ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1873
*Um tenente, dois capitães, um alferes

11ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1877
*Um tenente-coronel, um tenente, três capitães, um major, dois alferes

12ª Legislatura
Posse: 7 de janeiro de 1883
*Um tenente, um capitão, um alferes, dois coronéis

13ª Legislatura
Posse: 1 de agosto de 1887
*Dois majores
 INTENDÊNCIA MUNICIPAL
_ Ao ser proclamada a República, houve uma fase de transição. As câmaras foram suspensas e substituídas por um Conselho de Intendência Municipal, nomea­do pelo Governo Provisório da República. Em Uberaba foram dois destes Conselhos: 1890 e 1897.

1890
INTENDENTE
Tenente Wenceslao Pereira de Oliveira
CONSELHEIROS
Alexandre de Sousa Barbosa
José de Oliveira Ferreira - (Doutor)
Lannes José Bernardes - (Tenente)
Luiz Beltrão de Novais - (Adjunto)
Raphael Vanucci - (Adjunto)
SUPLENTES
Anthero Ferreira da Rocha - (Major)
Francisco Gomes de Meireles - (Coronel)
Herculano José Veloso - (Capitão)
José Augusto de Paiva Teixeira -(Major)
Luiz Antônio Guimarães Guaritá - (Capitão)
Manoel Raymundo de Mello Menezes
Melânio Feliciano Soares - (Capitão)

1897
INTENDENTE
Major José Augusto de Paiva Teixeira
CONSELHEIROS
Francisco Gomes Meirelles - (Tenente-coronel)
Herculano José Veloso - (Capitão)
Luiz Antônio Guimarães Guaritá - (Capitão)
Wenceslao Pereira de Oliveira - (Tenente)
SUPLENTES
Alexandre Souza Barbosa
Anthero Ferreira da Rocha - (Major)
José de Oliveira Ferreira - (Doutor)
Lannes José Bernardes - (Tenente)
Luiz Beltrão de Novais
Manoel Raymundo de Mello Menezes - (Doutor)
Melânio Feliciano Soares - (Major)
 _Obs.: Com a volta da normalidade democrática, as câmaras foram eleitas, reassumindo suas funções legislativas e administrativas no município

2ª FASE
1892-1937

 1ª legislatura
 Posse: 7 de março de 1892
*Três majores, um tenente-coronel, um tenente, um coronel, quatro capitães
 _É aprovada a lei nº. 1, de 22/03/1892, proibindo o presidente da Câmara de votar, enquanto acumular o cargo de Agente-Executivo Municipal.

2ª Legislatura
Posse: 1 de janeiro de 1895
*Seis majores, um coronel, dois capitães, um tenente-coronel

3ª Legislatura
Posse: 1 de janeiro de 1898
*Três coronéis, um alferes, dois majores, três capitães, um tenente-coronel

4ª Legislatura
Posse: 10 de janeiro de 1901
*Dois majores, sete capitães, um coronel
_Neste período a função de Agente-Executivo foi separada do cargo de pre­sidente da Câmara, através da Lei Estadual nº. 2, de 14 de setembro de 1891, que contém a organização municipal. As funções de Agentes-Executivos municipais passam a ser exercidas gratuitamente por um cidadão estranho à Câmara Munici­pal, expressamente eleito pelo povo.

5ª Legislatura
Posse: 1 de janeiro de 1905
*Um monsenhor – Ignácio Xavier da Silva
*Três coronéis, quatro majores

6ª Legislatura
Posse: 1 de janeiro de 1908
*Dois capitães, dois majores, dois tenentes-coronéis

7ª Legislatura
Posse: 1 de junho de 1912
*Sete coronéis, dois majores

8ª Legislatura
Posse: 1 de janeiro de 1916
*Um monsenhor - Ignácio Xavier da Silva
*Um major, um capitão, um coronel
_Monsenhor Ignácio Xavier da Silva assumiu interinamente a Presidência da Câmara em quatro ocasiões

9ª Legislatura
Posse: 1 de janeiro de 1919
*Um monsenhor - Ignácio Xavier da Silva
*Um coronel
_Até esta data, a maioria dos eleitos pertencia à classe de proprietários rurais.
_A partir da década de 20, com o desenvolvimento do comércio, diversificaram-se as profissões dos vereadores.

10ª Legislatura
Posse: 1 de janeiro de 1923
_Por terem faltado a três reuniões ordinárias consecutivas, vários vereadores perderam o mandato

11ª Legislatura
Posse: 17 de maio de 1927
*Quatro coronéis
_Essa legislatura foi extinta em 3 de outubro de 1930. Motivo foi a vitória do movimento revolucionário da Aliança Liberal, que colocou no poder Getúlio Vargas. De 1930 a 1934, o Poder Legislativo foi mantido inativo. Respondia pela admi­nistração da cidade, um Conselho Consultivo nomeado pelo Governo Revolucionário.

CONSELHO CONSULTIVO
NO COMANDO
Major Adolfo Soares Pinheiro
MEMBROS 
Arthur Sabino de Freitas - (Coronel)
João Eusébio de Oliveira - (Coronel)
Osório da Silva e Oliveira - (Coronel)
Raul Terra – (Coronel)
_A partir deste período, o chefe do Executivo passou a chamar-se prefeito, sendo nomeado o doutor Guilherme de Oliveira Ferreira como governante da cidade, cuja posse se deu no dia 11/12/1930, permanecendo no cargo até 26/01/1935.
_De 1935 a 1937, o governo municipal foi exercido por vários prefeitos nome­ados pelo Interventor do Estado, Benedito Valadares.

Adolfo Soares Pinheiro - 25/07/1935 a 20/09/1935
Horácio Bueno de Azevedo - 05/06/1935 a 22/07/1935
João Eusébio de Oliveira - 16/01/1935 a 05/06/1935
Menelick de Carvalho - 08/12/1936 a 24/07/1937
Paulo Andrade Costa - 20/09/1935 a 02/12/1936

_A Constituição de 1934 restabeleceu o Poder Legislativo, isentando a Câmara da função executiva. Durante este período, a Câmara Municipal funcionou de forma imprecisa, pois suas funções não estavam bem definidas na Cons­tituição de 1934.
_Os prefeitos passaram a ser designados pela Câmara Municipal

 _A Constituição de 1946 restabeleceu o Poder Legislativo independente do Poder Executivo.
_O primeiro prefeito eleito pelo voto popular, de acordo com esta Constituição, foi Luiz Boulanger Rodrigues da Cunha Castro Pucci (Dr. Boulanger Pucci), para o mandato de 1946 a 1951.

3ª FASE
1947
_Câmaras eleitas pelo voto popular

1ª Legislatura
Posse: 8 de dezembro de 1947
Alberto de Oliveira Ferreira (UDN)
Antônio Alberto de Oliveira (PTB)
Cláudio Moreira de Almeida  (UDN)
Gastão Vieira de Souza (PTB)
Henrique Von Krugger Schroeder (PTB)
_Presidente da Câmara
João Severiano Rodrigues da Cunha (UDN)
José Pedro Fernandes (PTB)
Mário de Almeida Franco (PTB)
Mizael Cruvinel Borges (PSD)
 Ovídio Nicolau de Vi to (PTB)
 Paulo Cavalcante Filho (PTB)
 Paulo Rosa  (PTB) - (Doutor)
 Randolfo de Meio Rezende (PSD)
 Ricardo Misson (PSD)

2ª Legislatura
Posse: 31 de janeiro de 1951
Álvaro Barra Pontes
Américo Abdanur Racy
Antônio Dal Secchi
Ataliba Guaritá Neto
Cláudio Moreira de Almeida
Helena de Brito - Primeira mulher vereadora, eleita em Uberaba.
Jaime Matheus
José Humberto Rodrigues da Cunha - (Doutor) - Presidente
José Inácio de Oliveira
Manoel Gonçalves de Freitas
Ranulfo Borges do Nascimento
Roberval Alcebíades Ferreira
Wilson de Paiva

3ª Legislatura
Posse: 31 de janeiro de 1955
Adalberto Pagliaro - (Bilula)
_ Faleceu em 1998
Elcy Benedito da Silva
Heitor Meirelles
Homero Vieira de Freitas 
Iguatimozi Cataldi de Souza
Ivo Aldo César Monti
João de Almeida Mello
João Severiano Rodrigues da Cunha
José Inácio de Souza
José Marcus Cherém
José Martins
Nagib Cecílio
Randolfo de Meio Rezende
Sylvio Coelho Cunha Campos
Wilson de Paiva
*Suplentes empossados ao longo da legislatura
Antônio Sabino de Freitas Júnior
Dioclécio Campos
Joel Andrade Loes
Silvino Cunha

4ª Legislatura
Posse: 31 de janeiro de 1959
Alexandre Amim Saad
Eurípedes Craide
Fausto Salomão
Francisco Lopes Veludo
Francisco Prata Decina
Hirilandes Garcez Morais
Homero Vieira de Freitas
Ivo Aldo César Monti
João Naves
José Jorge
Pedro Santana
Rogério dos Santos Terra
Satyro Benedito de Oliveira
Silvério Cartafina Filho
Wilson de Paiva

5ª Legislatura
Posse: 31 de janeiro de 1963
Aleixo Vasques Molinar
Álvaro Diniz de Deus
Benito Caparelli
Bruno da Silva Oliveira Júnior
Ernesto Ferreira Vilella
Eurípedes Craide
Geraldo Formiga do Nascimento
João Naves
Mário de Assis Guimarães
Pedro Solé Rossel
Raimundo Rodrigues de Albuquerque
Randolfo Borges Júnior
Rogério dos Santos Terra
Santino Gomes de Mattos
Satyro Benedito de Oliveira

6ª Legislatura
Posse: 31 de janeiro de 1967
Álvaro Diniz de Deus
Carlos Octávio Jorge
Ernesto Ferreira Vilela
Hildo Totti
Homero Vieira de Freitas
Israel José da Silva
Jesus Manzano
João Meccheri
João Fatureto Júnior
Mário de Assis Guimarães
Paulo Afonso da Silveira
Pedro Solé Rossel
Sebastião Rezende Braga
Wagner do Nascimento
Wirson Rezende da Cruz

7ª Legislatura
Posse: 31 de janeiro de 1971
Álvaro Diniz de Deus
Edson Luiz Berber Côbo
Edson Quirino de Souza
Eurípedes de Paula Soares
Homero Vieira de Freitas
Israel José da Silva
João Antônio Speridião
João Meccheri
Mário de Assis Guimarães
Munir Miguel Dib
Pedro Sol é Rossel
Sebastião Rezende Braga
Sylvio Roberto dos Santos Prata
Waldir Rodrigues Vilella
Wirson Resende da Cruz

8ª Legislatura
Posse: 31 de janeiro de 1973
Alcides Ribeiro Visinha
Álvaro Diniz de Deus
Arly Coelho da Silva
Baldomero Franco
Daltro Batista de Paiva
Edson Ouirino de Souza
Eurípedes de Paula Soares
Heitor Luiz da Costa Júnior
Henrique Sabino da Rocha
Homero Vieira de Freitas
Israel José da Silva
João Adalberto de Andrade
Mauro Alberto Maluf Ferreira
Reynildo Chaves Mendes
Saleh Cecílio
Sebastião Rezende Braga
Valdir Rodrigues Vilella

9ª Legislatura
Posse: 31 de janeiro de 1977
Álvaro Diniz de Deus
Arly Coelho da Silva
Arnaldo Nogueira Borges
Benigno Tiveron
Daltro Batista de Paiva
Edgard Prata Vidal Leite Ribeiro
Edson Martins de Morais
Edson Ouirino de Souza
Henrique Sabino da Rocha
Jamir Abdalla
_Faleceu no exercício do mandato
Jesus Manzano
João Adalberto de Andrade
José Cunha da Silva Malaquias
José Osório Guimarães
Mário de Assis Guimarães
Oswaldo Silva
Sebastião Rezende Braga
Sérgio Marcos de Souza

10ª Legislatura
Posse: 1 de fevereiro de 1983
 _Em função do aumento do Colégio Eleitoral, o número de vereadores aumentou de 17 para 19
 Aluízio Ignácio de Oliveira
Álvaro Diniz de Deus
Antônio Bernardes Neto
Benigno Tiveron
Calixto Rosa Neto
Elmar Humberto Goulart
Henrique Sabino da Rocha
Jesus Manzano
João Adalberto de Andrade
João Batista da Cruz
José Cunha da Silva Malaquias
José Osório Guimarães
Júlio César de Rezende
_Faleceu antes de cumprir o mandato
Lélia Inês de Rezende Teixeira
Mário de Assis Guimarães
Murilo Pacheco de Menezes
Patrícia Pontes Zaidan
_Após dois anos, renunciou ao mandato
Sebastião Pinto de Oliveira
Wirson Rezende da Cruz
 _Lélio de Oliveira assumiu a vaga de Patrícia Zaidan, e Renato dos Santos assumiu a vaga de Júlio César de Rezende.

11 ª Legislatura
Posse: 1 de janeiro de 1989
Abdias Fernandes de Paula
Ademir Vicente da Silveira
Além Mar Paranhos
Antônio Carlos Ribeiro
Antônio Carlos Silva Nunes (Tony Carlos)
Arly Coelho da Silva
Cícero Gonçalves do Nascimento
Daltro Batista de Paiva
Heli Geraldo de Andrade
João Batista da Cruz
José Rodrigues de Rezende
José Gonzaga da Silva
José Osório Guimarães
 Leci de Castro Ferreira
Miguel Ferreira Peixoto
 Milton Decina Salge
 Newton Ronaldo da Cunha Prata
 Paulo César Soares
 Ricardo Prieto Ribeiro

12ª Legislatura
Posse: 1 de janeiro de 1989
Ademir Vicente da Silveira
Arly Coelho da Silva
Benito Ruy Meneghello
Daltro Batista de Paiva
Edivaldo Moreira dos Santos
Francisco Rodrigues Teixeira
Gilberto Caixeta da Silva
Hamilton Félix
Heleno de Souza Araújo
Heli Geraldo de Andrade
Jesus Manzano
João Spósito Sobrinho
José Rodrigues de Rezende
Lauro Henrique Guimarães Corrêa
Minervino Cesarino
Newton Ronaldo da Cunha Prata -
Paulo César Soares
Paulo Silva
Wilson de Paiva
_Faleceu durante o mandato
_Lucimar Ferreira de Oliveira assumiu a vaga de Wilson de Paiva

13ª Legislatura
Posse: 1 de janeiro de 1997
Ademir Vicente da Silveira
Antônio dos Reis Gonçalves
Arly Coelho da Silva
Arquimedes de Oliveira Bessa
Edivaldo Moreira dos Santos
Elmar Humberto Goulart
Gilberto Gaixeta da Silva
Hamilton Félix
Helena de Souza Araújo
Heli Geraldo de Andrade
Ribeiro de Rezende
Jesus Manzano
João Gilberto Ripposati 
Luiz Humberto Dutra
Newton Ronaldo da Cunha Prata
Omilton Bento de Souza Filho
Paulo César Soares
Paulo Silva
Teresinha Cartafina

14ª Legislatura
Posse: Janeiro de 2001
Antônio Carlos Silva Nunes
Antônio dos Reis Gonçalves
Antônio Kuniyti Sakamoto
Arly Coelho da Silva
Carlos Pereira da Silva
Elmar Humberto Goulart
Gilberto Caixeta da Silva
Heleno de Souza Araújo
Hilton Del Duque
Itamar Ribeiro de Rezende
Jesus Manzano
João Gilberto Ripposati
José Rodrigues de Rezende
José Ronaldo Maciel
Marilda Ribeiro Resende
Newton Ronaldo da Cunha Prata
Noé dos Reis Maia
Rodolfo Cecílio
Teresinha de Jesus Pinto Cartafina

15ª Legislatura
Posse: Janeiro de 2005
_Número de vereadores cai para 14, seguindo redução das vagas impostas pela Justiça Eleitoral
Afrânio Cardoso de Lara Resende
Antônio Carlos Silva Nunes
Cléber Humberto de Sousa Ramos
Durval Chagas de Oliveira
Heli Geraldo de Andrade
Itamar Ribeiro de Rezende
José Ronaldo Maciel
Lourival dos Santos
Marilda Ribeiro Resende
Massuó Machiyama
Paulo Henrique Pires
Valdecy Caetano de Sousa
Valdir Elias Barbosa
Waldir Vilela Teodoro

16ª Legislatura
Posse: Janeiro de 2009
_Mandato termina em dezembro de 2012
Afrânio Cardoso de Lara Resende
Almir Pereira da Silva
Antônio Carlos Silva Nunes
Antônio dos Reis Gonçalves
Carlos Alberto de Godoy
Cléber Humberto de Sousa Ramos
Itamar Ribeiro de Rezende
João Gilberto Ripposati
Jorge Ferreira da Cruz Filho
José Severino Rosa
Lourival dos Santos
Luiz Humberto Dutra 
Marcelo Machado Borges
Samuel Pereira

Fonte das informações e das fotos:
Câmara de Uberaba
Projeto Memória Viva

------------------------------




Nenhum comentário:

Postar um comentário